segunda-feira, 22 de novembro de 2010

1ª FESTA DA FAMÍLIA (recepção)





1ª. FESTA DA FAMÍLIA





PROJETO FAMÍLIA NA ESCOLA

O Projeto surgiu da necessidade de promover a integração da família na unidade escolar. Sabemos que a participação da família na vida escolar dos educandos tem muito a contribuir para uma melhor aprendizagem.
Escola e família são instituições sociais muito presentes na vida escolar do aluno, de forma que só se pode pensar em sucesso educativo se pensarmos também em trabalho conjunto. Educar é sem dúvida um papel que recai sobre a família e a escola. Por isso, quanto mais estreita for essa relação, melhor será o resultado. Pais e professores têm objetivos comuns e precisam ser mais cordiais, coerentes e responsáveis nesse processo.

Objetivos do projeto:

Fortalecer, por meio da Gestão Participativa a interação da escola com a comunidade, com o intuito de promover ação mais eficaz no trato das diferentes formas de violência e elucidar a importância da participação da comunidade como prática do processo de construção da cidadania.
Desenvolver com a comunidade escolar estratégias de ação que promovam a socialização e a convivência, por meio de atividades esportivas, culturais e de lazer.

sábado, 20 de novembro de 2010

Dia Nacional da Consciencia Negra 20 de novembro

Consciência Negra


Num mundo de competição e individualismo, a diferença é motivo de discriminação e dominação. Num mundo de solidariedade, a diferença é motivo de enriquecimento e complementação. O caminho é distante?Quando sabemos a direção, basta caminhar.
Neste Dia da Consciência Negra, 20 de novembro, não vamos perder a oportunidade de dar mais um passo.

Profª. Rosângela Guedes

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Paródia Bullying - 3º. EMA

Bullying Trabalho 1º E M B Eldorado MS

PROJETO BULLYING

“Bullying”: uma violência psicológica não só contra crianças

Bullying é uma palavra inglesa que significa usar o poder ou força para intimidar, excluir, implicar, humilhar, não dar atenção, fazer pouco caso, e perseguir os outros. Ocorre com mais freqüência no ambiente escolar. Assim, numa escola, uma criança era considerada ‘escrava’ por outras chefiadas por um aluno-líder, e, um adolescente era obrigado a dar dinheiro para colegas mais velhos e fisicamente mais fortes, senão sofreria algum tipo de violência. Os professores também não estão vacinados contra o bullying. Como se não bastasse sofrer uma grave fobia escolar que o impedia de trabalhar, um professor ainda era obrigado a suportar discriminação, humilhação e ameaças veladas de colegas insensíveis, invejosos e vingativos.

Ao sofrer a violência do tipo bullying, tanto as crianças como os adultos, sozinhos, não têm como se defender. Os colegas, embora digam repudiar esse tipo de violência psicológica e sentirem pena, declaram que nada podem fazer para defendê-la, com medo de serem a próxima vítima.

Muitas crianças vítimas de bullying desenvolvem medo, pânico, depressão, distúrbios psicossomáticos e geralmente evitam retornar à escola quando esta nada faz em defesa da vítima. A fobia escolar geralmente tem como causa algum tipo de violência psicológica. Além de conviver com um estado constante de pavor, uma criança ou adolescente vítima de bullying talvez sejam as que mais sofrem com a rejeição, isolamento, humilhação, a tal ponto de se verem impedidas de se relacionarem com quem ela deseja, de brincar livremente, de fazer a tarefa na escola em grupo, porque os mais fortes e intolerantes lhe impõem tal sofrimento.

O que fazer?

Os pais devem apoiar o filho, abrindo espaço para ele falar sobre o sofrimento de estar sendo rejeitado pelos colegas. “Obrigar o filho a enfrentar os agressores pode não ser a melhor solução, visto que ele está fragilizado, ou seja, corre o risco de sofrer uma frustração ainda maior”. Mas, fazer de conta que não existe bullying ou outro tipo de violência psicológica na escola é, no fundo, autorizar a prática de mais violência. É preciso estar atento para o risco de suicídio onde a vítima sem auto-estima alucina tal ato como ‘saída’ honrosa para o seu sofrimento. Esta é uma atitude freqüentemente usada no Japão.
Quando a violência ocorre na escola cabe aos pais conversar com a direção. É dever desta instituição ensinar os conhecimentos e promover a inclusão social e psicológica. A escola e a universidade jamais devem fazer vistas grossas sobre os casos de intolerância de violência psicológica ou física. A escola, principalmente, deve ter uma atitude preventiva contra o bullying, começando pela conscientização e preparação de professores, funcionários, pais e alunos. Por um lado, é preciso apoiar as crianças vítimas e, por outro, é imprescindível fazer um trabalho especial com as pessoas propensas para cometer violência contra os colegas, professores e funcionários.
Os pais e professores devem estar atentos sobre a possibilidade real de conviver com uma vítima silenciosa de qualquer tipo de violência, como também conviver com o(s) agente(s) dessa violência. (Se a instituição de ensino não tomar providências, cabe aos pais ou responsáveis denunciar a violência ao Conselho Tutelar, pode até mover um processo junto a Justiça, cobrando do agressor a reparação por dano moral ou físico). Criança ou adolescente que repete atos de intolerância e de violência para com o próximo pode estar sendo “autorizada” pelos pais que a vêem positivamente como “esperta”, “machão”, “bonzão”, “fodão”, etc. O adulto que pratica bullying pode estar sendo influenciado por uma organização perversa do trabalho burocrático, ou por um grupo que usa a intolerância como meio de expressão política. É preciso estar muito atento aos grupinhos informais de traços neofascistas, as gangs, porque a afirmação da sua identidade narcísica é conseguida por meio da intolerância, da discriminação e da violência.

RAYMUNDO DE LIMA
Psicanalista, Professor do Departamento de Fundamentos da Educação (UEM) e Doutorando na Faculdade de Educação (USP)

(Profª. Rosângela Guedes)

sábado, 30 de outubro de 2010

Redações 3º Ensino Médio B



Redações 3º Ensino Médio A



A redação no Concurso de Vestibular e ENEM

A redação de vestibular tem preocupado tanto os alunos que prestam o concurso vestibular ou ENEM, quanto os pais e nós, professores de língua portuguesa do ensino médio. Os problemas de desempenho na prova de redação podem levar a perda da tão sonhada vaga ao ensino superior, e este fato tem motivado uma cobrança em relação ao trabalho com a produção de texto no ensino médio.
Como professora de língua portuguesa no ensino médio, percebo as dificuldades de nossos alunos e a consequente necessidade de buscar estudos sobre a escrita de alunos vestibulandos, para oferecer-lhes subsídios a fim de que possam atingir seus objetivos.
Para isso, o ensino de redação de vestibular como um gênero textual deverá oferecer condições para o aluno interagir com seu meio, em que a redação poderá ser estudada como uma linguagem, uma forma de prática social, manifestação advinda dos desejos e necessidades que os alunos têm de conquistar outros espaços na sociedade.

Profª Rosângela Guedes